terça-feira, 4 de outubro de 2011

Uma Flor iluminada

                                                        Uma Flor Iluminada!

Uma flor iluminada pelo sol que é seu amigo
Pessoas iluminadas estejam também comigo
Iluminadas por Deus, que muitas flores nos deu
Vindas do seu Paraíso!

OS TRÊS MUNDOS (do Ser Humano)

OS TRÊS MUNDOS (do Ser Humano)

         Uma criança em gestação vai se desenvolvendo sem a preocupação de que, um dia, perderá o seu “ninho” quentinho e aconchegante, sua “piscinazinha” onde nada todos os dias, enfim, o seu pequeno mundo que lhe dá tudo o que precisa, no ventre acolhedor de sua Mãe.  E a criança se sente muito bem ali que não deseja outro mundo.

         Todavia, todo mundo que não é eterno, chega ao seu fim.  Na gestação, chega a hora do Parto, do Nascimento.  É um momento difícil  para a Mãe e para a Criança; ambas sofrem: a Mãe com a dilatação do corpo, da pelve, para dar passagem à criança;  a criança, ao nascer, chora, sente a dor necessária na abertura dos pulmões para poder respirar.  Instantes depois, é colocada nos braços da Mãe e, aqueles primeiros contatos externos, complementados com carinho e amor, fazem as duas esquecerem os momentos de dor que acabaram de passar.

         Começa aí, “dada à Luz” (do sol, das estrelas, da lua, elétrica...), sua vivência no mundo II.  Começa ver as luzes, as pessoas, as cores e muitas outras coisas diferentes do seu primeiro mundo.  “Que bonito, aqui é bom, é muito  melhor que o outro”.  Acaba gostando tanto desse mundo que não   quer  mais  sair   dele,   esquecendo-se   praticamente  do  seu primeiro mundo.  “E o terceiro mundo?” Ele é o mais misterioso!   Contudo, ele é  maravilhoso,   estupendo,  lindo; não há igual em beleza “os olhos jamais viram e a mente não consegue imaginar”, é o mundo perfeito,  nós o chamamos de CÉU!   
                                     
         Muito embora há alguns sofrimentos na passagem de um mundo para o outro, superada esta, entenderemos que foi preciso.  E assim, passamos pelas trevas (mundo sem luz), como na barriga da mãe que não há luz (a não ser a Luz inicial da fecundação); passamos pelas luzes e trevas (como o mundo em que habitamos), que hora estamos na luz e hora estamos nas trevas, no escuro, como o dia e a noite como também na vida espiritual ainda temos uma idéia, uma experiência muito vaga de Deus,  poucas iluminações do mundo futuro, etc, a não ser a quem Deus quis revelar e que soube captar a sua mensagem,  para no final, permanecermos plenamente na Luz, na união plena com Deus que é nossa grande LUZ.

         No primeiro mundo, há um tempo fixado para todos os seres humanos, nove meses, exceto os prematuros; no segundo, há um limite variável de tempo de uma pessoa  para outra, podendo ir até mais de cem  anos;  no terceiro,  não há mais limite de tempo, é eterno.  Não há mais perigo de gestação e de vida.

         Após o toque de Luz de Deus, na hora da fecundação,  o   primeiro   mundo    passa    a    ser  vivenciado por  Mãe  e  filho(a),  a criança tem contato diretamente com a Mãe.  No segundo, pais, mães, filhos, irmãos e outras pessoas que vão se achegando, mas sempre sentindo falta de um contato diretamente com Deus ou quem ainda não o descobriu, sente a falta de algo que lhe  preencha totalmente.  O terceiro mundo,  o perfeito, o pleno, é regido pelo Pai, Filho e Espírito Santo (Deus).  “E aí, não tem Mãe?”  Sim, claro que tem.  É só fechar os olhos e ver, pois, Deus é Pai e Mãe ao mesmo tempo, além de ser Filho, Amigo, Espírito que nos guia... e no mundo nosso atual não há espaço para defini-lo, é indefinível na sua totalidade, mas está mais presente do que se pode imaginar. 

         É para esse terceiro mundo que nós estamos caminhando, não porque nós merecemos tê-lo como prêmio, mas porque a bondade de Deus é tão grande que fez Jesus Cristo querer, dizer e fazer por onde nós pudéssemos chegar lá.  Pelos méritos de Jesus Cristo, pelo amor infinito de Deus, nós teremos  o  CÉU,    veremos    Deus   face   à   face,
completando todo o processo de nossa vida, a não ser que alguém, por pura liberdade, não queira.  Mas é o grande presente de Deus dá a ressurreição, a vida plena!

         Obrigada, Senhor, pela tua vida em nós, por nos fazer vida de tua VIDA.  Amém!

Autoria: Ir.  Elenilza - SMI
Inspiração: em 1996

Parábola: A Vida de uma Lua

A VIDA DE UMA LUA  
Passado, presente e futuro (Parábola de esperança)  

         Uma Lua sob a inspiração de um Rei muito importante, nasceu em um lindo dia de festa, em meio a outras Luas que estavam muito contentes com o seu nascimento.

         Ao nascer, ela foi muito iluminada pelo SOL. Ser uma lua iluminada era receber da imensa gratuidade do Sol. Era seu presente de nascimento.

         No seu quinto ano de existência, ela recebeu uma missão especial: “Tu serás o Satélite da Terra, captarás ligações entre a Terra e o Céu”. E ela se sentia muito feliz por ser agraciada e fazia tudo para o bom uso da Luz que recebeu e para desenvolver a sua missão.

         Ela foi NOVA, assim como nasce uma Lua, sem experiência de vida. Começou a crescer e, nessa fase CRESCENTE, aquele que a iluminava, foi lhe mostrando e ensinando várias coisas que serviria de proveito para sua vida e de outros. Ela foi aprendendo com Ele, com a própria vida e na convivência com seus semelhantes.      

          Aos poucos, a Lua foi ficando na sua fase mais bonita – CHEIA – cheia de graça e beleza!

         

          Embora não tivesse luz própria, a luz que recebia do Sol a deixava tão iluminada que ela acabava iluminando até as noites mais escuras.


            No decorrer da vida da Lua, houve momentos de ECLIPSE, onde tudo parecia trevas e que demorava clarear de novo. Alguns mais leves e outros mais demorados. Embora fossem momentos intensos de escuridão, foram passageiros, superados na esperança de ver novamente a luz do Sol brilhar sobre a sua face. E isso poderia acontecer em qualquer fase.  Mas como a Lua tinha a missão de encantar, não parava no eclipse e sempre sabia ultrapassar.

         Depois de algum tempo, na quarta fase da lua, chegou, então, a hora da contagem regressiva para o seu renascimento ou renovação: a chamada fase MINGUANTE (que é uma fase necessária e que acontece para a renovação de todas as luas).

         A Lua aceitou com serenidade sua fase de renovação já anunciada previamente pelo Sol. Era a hora do seu “Novo Nascimento”. A intimidade da Lua com o Sol era tão grande que Ele costumava revelar o que iria fazer com outras Luas e não seria diferente com sua Lua muito amada! Ela sabia que a fase minguante não demoraria muito, que a hora H da renovação já estava próxima. É o tempo da comprovação da sua fidelidade   ao  Sol,  ao  brilho  dessa  Grande  Luz.

         Embora, no momento exato da renovação, parece que o Sol se esconde, a Lua tem certeza de que Ele não a abandona, que o eterno Sol continua ali; na verdade, preparando-se para acolhê-la novamente, não só para deixá-la iluminada, mas para lhe conceder um raio da sua própria e eterna Luz.

          A vida da Lua já está para ser renovada (já está se renovando) e, depois dessa última transformação, terá brilho, terá luz permanente.

         E, assim, quando a Lua receber da plenitude da grande Luz, não mais haverá fases ou transformações em sua vida. Ela será um dos seres integrantes do Reino das Luzes. E viverá feliz para sempre ao lado do seu Amado Sol!

CONCLUSÃO: A vida da Lua é a vida de todos nós nas mais diversas fases da vida; os eclipses são a representação dos momentos que não gostaríamos de passar: momentos de escuridão, de dores e sofrimentos e que podem acontecer de muitas formas, sejam eles grandes ou pequenos. O Reino das Luzes é o que chamamos de Céu, a eternidade junto a Deus, não precisa mais da renovação, é a vida feliz, a plenitude da vida.

Autoria: Ir.  Elenilza  – SMI
abril/2003.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Cor, flor, expressão de amor

Para ver a beleza, geralmente precisamos de cor e para sentir um perfume nada melhor que a flor!
 
As flores são lindas, são expressão de amor!
Ofereçamos aos outros as flores de nossa vida!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Dinâmica de grupo: Vocês se conhecem?

VOCÊS SE CONHECEM?     (Dinâmica de Grupo)

        
          Entrega um número para cada participante (guardar o nº sem mostrar). Coleta-se os nomes em outro papel para o sorteio e, conforme sorteio, vai fazendo as perguntas e, depois que for feita a pergunta, se informa quem está com o nº tal... e vai trocando de lugar com seu interlocutor, isto é, vai seguindo a seqüência, quem vai responder não sabe para quem sairá a pergunta, pois depende do sorteio e ninguém sabe o nº do outro. Quem já respondeu sorteia o próximo nome para a pergunta seguinte. 
 Motivação: conhecer melhor o(a) outro(a) e saber se colocar no lugar dele(a).
PERGUNTAS PARA A DINÂMICA:
01 – Qual o nome da pessoa que está com a ficha de nº 01?
02 – Qual o sobrenome de quem está com o nº 02?
03 – Qual o nome mais conhecido ou apelido comum da que está com o nº 03?
04 – Estado civil de quem está com a de nº 04?
05 – A que está com o nº 05 tem filhos? Quantos? Homem, mulher?
06 – Onde mora a que está com o nº 06?
07 – Qual empresa ou qual setor de trabalho da que está com o nº 07 ou qual a  
         função-cargo dela?
08 – A de nº 08 tem alguma outra função ou curso(s) que já fez?
09 – O que a de nº 09 faz por você ou para você?
10 – O que você faz para a de nº 10?
11 – Qual time a pessoa de nº 11 torce?
12 – Qual o prato predileto ou uma comida que a de nº 12 gosta?
13 – Que habilidades tem a de nº 13? (Ex: canta, dança, toca, artesanato, fala bem em público, dirige, sabe lidar com crianças, costura, sabe lidar com plantas, sabe nadar bem etc)
14 – Quais as qualidades que tem a de nº 14? (Ex: é atenciosa, alegre, criativa, amiga de todos, pontual, fidelidade à palavra dada, não falta ao trabalho, respeitosa, pessoa de fé, honesta, fiel, prestativa, disponível, sabe escutar, sabe falar com as pessoas etc).
15 – O que mais gosta de fazer a de nº 15?  (em qualquer área)
16 – Diga uma palavra de incentivo ou uma frase que a pessoa de nº 16 goste ou que a faça sorrir.
17 – Diga o nome de dois familiares do nº 17 e onde pode encontrá-los. (se é perto, pode ser rua, local de trabalho; se é longe, nome da cidade onde moram ou região)
18 – Qual a religião da pessoa que está com o nº 18?
19 – Qual a cor (ou cores) que a de nº 19 mais gosta?
20 – Qual o filme  ou um dos filmes que a de nº 20 mais gosta? Ou que tipo de filme?
21 – Qual a cor dos olhos de quem está com a ficha de nº 21?
22 – Vocês saberiam dizer isso de todos? Ou tudo isso de uma pessoa?
         Quem se arrisca dizer, pelo menos, a metade dessas perguntas referente a uma só pessoa?

OBS: Podem ser acrescentadas outras perguntas depois do nº 21, depende da quantidade de pessoas, de forma que todos sejam abordados. 
                                                                          Autoria: Ir. Elenilza - MI / MESC – 2010.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Homenagem à Mulher

MULHER

Maravilha evidente na natureza humana
Unificadora de todas as relações
Luminosa como uma grande estrela
Humano ser gerador de vida
Especial para Deus e sua criação
Rainha de todas as criaturas.

        Parabéns pelo seu dia: 08 de março!



(Autoria: Ir. Elenilza – SMI )
                    em 2005

BOA NOITE!

BOA NOITE

Boa noite para quem descansa,
Oxalá, seja tranqüila no seu decorrer.
Abençoada imensamente


Noite serena até o amanhecer.
Ora, ora a mais bela noite!
 Incrível, boa mesmo pra valer.
Todos tenham uma noite feliz
Especialmente você que vai,
     ou não, adormecer.



(Autoria: Ir. Elenilza – SMI )
                     Em 2005

Parábola: Uma Grande Estrela Em Nossa Estrada

UMA   GRANDE   ESTRELA   EM   NOSSA   ESTRADA

              Por uma longa estrada caminhavam muitas pessoas e todas deveriam transitar por ela para chegar a uma determinada estrela, de luz permanente e brilho maior que todas as outras.

              Muitos tinham ouvido falar dessa grande estrela, mas não tinham certeza da sua existência, “ninguém” a tinha visto. Outros, no entanto, apesar de não vê-la, acreditavam que ela estava em algum lugar e que, de certa forma, os protegia e dava motivação para a caminhada.

              Por essa estrada, transitavam crianças, jovens, adultos e idosos e, todos, ao longo da mesma, precisavam se revestir de alguns instrumentos para ficaram fortes e resistentes na vida e vencerem os obstáculos e dificuldades que encontrassem na sua trajetória.

              Para chegar à grande estrela era necessário estar atentos a tudo que ia surgindo na estrada, também armas poderosas, tais como: a fé, esperança e caridade, muito, muito amor mesmo transformados em gestos concretos.  Não precisava envelhecer para chegar lá, qualquer uma poderia atingi-la em qualquer idade; dependia da sua caminhada e de alguns acontecimentos que acelerassem o processo.

              Todos estavam a caminho e, de alguma forma, todos tinham fé em alguma coisa e esperavam alguma coisa também, mas estavam faltando luzes no caminho para motivar a caminhada.  Muitos se encontravam cansados, enfraquecidos; outros, duvidosos; outros, desanimados e assim por diante.

              Um dia, surgiu, nessa estrada, um homem parecido com os outros, mas, ao mesmo tempo, diferente e que sabia numa certeza absoluta da existência da grande estrela.  Percebendo ele, que muitas luzes do caminho haviam sido apagadas e destruídas, começou a falar da grande estrela e, miraculosamente, por onde ele ia passando, iam surgindo pequenas estrelas que deixavam o caminho iluminado. Eram sinais da existência da Grande Estrela e a comprovação de suas palavras.  As pequenas estrelas surgidas davam motivação para a caminhada, juntamente com a fé, que estava aumentando e a esperança que se espalhava por toda a estrada.  E afinal, quem era esse homem? Muitos se perguntavam e muitos não tinham resposta; e muitos outros o admiravam por causa das estrelinhas que surgiam em torno dele. Muitos acreditaram nele logo; outros, duvidavam; outros, pensavam que era algum louco e que estava iludindo o povo.

              Cada um que fazia ou agia, conforme o ensinamento desse homem, ia deixando ao redor ou nos lugares onde passavam, algumas estrelinhas um pouco menores que a do tal Homem, mas também com muito brilho.  E, com essas estrelinhas ao longo da estrada, ficava bem mais fácil caminhar e descobrir a grande novidade do fim de estrada, que todos tinham curiosidade de saber como era ou o que aconteceria ao chegar lá.

              Se alguém duvidasse da existência da grande estrela, ou entrasse em crise de caminhada, ou de fé, ou de esperança e descuidasse, não mantendo os olhos atentos, as suas pequenas luzes, as suas estrelinhas perdiam o brilho, mas se retomassem os cuidados de caminhada e estando pronto com os seus instrumentos necessários para o longo do caminho, o brilho de suas estrelinhas voltava novamente.

              Durante a caminhada, algumas pessoas foram arrebatadas, por algum raio da Grande Estrela, ainda no início da estrada; outras, no decorrer da caminhada; algumas até recém-nascidas. Era um mistério! “Onde foram parar essas pessoas e por que exatamente essas e não outras?”. Na verdade, todas iam parar diante da Grande Estrela. 

              Os raios da Grande Estrela circulavam toda a estrada de maneira invisível e muitos não conseguiam captar esses raios.  Algumas pessoas, de vez em quando, conseguiam captar esses raios e, de alguma forma, envolvidas por esses raios, tornavam-se cada vez melhores como seres humanos e o seu caminho ia ficando mais bonito e surgindo novas estrelinhas.

              Continuando a trajetória, cada um, ao chegar ao fim da estrada, deparava-se com a Grande Estrela e todas as suas estrelinhas se uniam a ela e ficava tão extasiado com o brilho dessa luz, que se transformava totalmente a tal ponto que esquecia os sofrimentos e dificuldades que passou ao longo da estrada; e passava a habitar no mundo da LUZ, que é composto por três Grandes Estrelas que se unem e formam uma única e enorme Estrela, integrando, também em si, todas as outras estrelinhas, as que lá já estavam e todas as outras que iam chegando. E, nesse momento, todos que iam chegando, davam-se conta que aquele homem que encontraram na estrada, e que lhes havia falado da existência da Grande Estrela, era também uma das três grandes estrelas, que Ele era a porta para a entrada desse Reino; que era a estrela reveladora e, que por isso, nasciam tantas estrelinhas ao seu redor e que cada gesto de amor e cada boa ação se transformavam em estrelinhas e que a estrada era a vida de cada um e esta poderia se apresentar de forma longa ou curta. Não importava; bastava, apenas, unir a própria vontade com a vontade da Grande Estrela.

              Para os que já chegaram ao final da estrada, tudo já foi esclarecido, já não restam dúvidas. Por isso, também nós, que ainda não chegamos lá, caminhemos pela estrada (nossa vida), fazendo com que surjam, sempre mais, muitas e muitas estrelinhas que iluminem nossa estrada!



Autoria: Ir. Elenilza – SMI 
Em março de 2006.

Parábola: A Formiga dos Olhos Coloridos

A FORMIGA DOS OLHOS COLORIDOS

              Era uma vez uma Formiga, chamada Formimiga, que nasceu em um pequeno lugar do país das formigas e que passou a morar em um formigueiro onde residiam as mais variadas formigas.

              Quando Formimiga nasceu, a Formiga Rainha, ou melhor, a Rainha de todos os Formigueiros e que tinha grande influência no Reino das Formigas, deu de presente de nascimento para ela “Olhos coloridos”, que tinham todas as cores que existiam na face da terra, fazendo ver de cada formiga ou de cada situação todas as cores ao mesmo tempo.  Como eram olhos mágicos, eles eram coloridos disfarçadamente: as cores só se podiam ver por dentro; quem os olhava só enxergava uma cor, a cor normal do olho de uma formiga (preto, castanho, vermelho etc).

              No início, ainda timidamente, Formimiga achava que todos enxergavam os seus olhos coloridos, mas aos poucos, percebeu que só ela própria, a Rainha e mais três guardiões (um do próprio formigueiro e dois de outros formigueiros vizinhos e que eram de confiança da Rainha) sabiam disso e, a Formimiga, às vezes, pensava: “pode ser que existam outras formigas que também tenham os olhos coloridos, mas como vou saber se o colorido é por dentro? Também não posso sair por aí perguntando!”.

              Mesmo na mais escura noite, ela conseguia enxergar todas as cores, coisa que outras formigas só viam sob a luz do sol.  E, em situações especiais, de vez em quando, a Formiga Rainha a convidada para fazer uma avaliação, ou seja, aplicar as cores dos seus olhos para que analisasse de maneira detalhada, não que ela tivesse sabedoria por ela mesma, mas porque lhe foi concedida; por isso, fazia isso como ninguém e sob as ordens da Rainha.  E assim, ela conseguia perceber o lado azul, o rosa, o verde, o vermelho, o amarelo, o preto, o matizado... (ou todas as cores ao mesmo tempo como nós enxergamos as cores do arco-íris de uma só vez.), como também, ela via quanto por cento de cada cor de uma determinada situação. 

              Muitas formigas, no entanto, só conseguiam ver o lado preto ou o lado marrom porque essa era a cor de seus olhos.  Como poderiam ver o mundo em todas as cores, se seus olhos só viam a lado escuro?

              Aos poucos, quando alguma formiga sentia o desejo de ver diferente, a Formiga Rainha ia concedendo uma nova cor, mas ia dando conforme o desejo de cada uma e sem que ela percebesse. Quem queria ver o azul era concedido o azul; quem o vermelho, quem o verde, o amarelo e assim por diante.  Algumas formigas, sem se darem conta, já estavam colorindo seu mundo e muitas coisas boas iam acontecendo no formigueiro.  

              Alguns percebiam que havia algum “mistério”, alguma coisa diferente em torno de Formimiga, mas não conseguiam perceber o que era; outros se perguntavam: “como ela sabe disso” ou “onde ela encontra tantas respostas?”. Todavia, a maioria a aceitava como ela era e se sentia muito bem com a sua presença. Alguns poucos, talvez 1, 2, 3, 4 ou 5% das formigas, em algum momento sentiam certa inveja dela: achavam-na querida demais por outras formigas.  Mas era seu jeito natural de ser, pois sempre foi assim desde que nasceu e é da mesma forma para todo o formigueiro, da formiga mais nova à mais velha. “Será que ela não tinha defeitos?”  Sim, ela não nasceu perfeita, tinha muitos defeitos no corpo, na mente e na sua alma e espírito de formiga, mas os defeitos dela nunca foram de fazer mal para alguém, nisso ela se treinava todos os dias para não maltratar ou prejudicar as outras formigas, além de contar com as ajudas dos seus guardiães e da Formiga Rainha para melhorar a cada dia. E, aos poucos, ela conseguia uma vitória na luta contra si mesma, como também seus olhos ajudavam a perceber seu lado interior. Algumas coisas se tornavam mais fáceis para ela por causa de seus olhos coloridos, tanto para perceber os sofrimentos como as alegrias ao seu redor. Ela tinha muita alegria interior e isso a ajudava a vencer, com maior rapidez, as inúmeras dificuldades que surgiam na sua vida do dia a dia ou por onde passava.

              As formigas, que um dia estiveram sob seus cuidados, sabiam que era seu jeito normal de agir. Algumas formigas até pensavam que ela não enxergava as coisas, ou que tinha medo de falar, mas ela sempre disse em particular e percebia que todos se esforçavam para vencer suas dificuldades. Algumas formigas costumavam dizer: “Nós obedecemos por amor, por confiança”, “como vamos tratar mal quem nos trata bem?” “Quem sabe conversar a gente sempre escuta”, “Na hora que ia fazer tal coisa me lembrei de você” e outros semelhantes. Em muitas formigas, foi percebida alguma mudança interior e exterior ou comportamental etc. Mas todos tinham um coração e mente de formiga e acabavam errando novamente, mas aos poucos iam diminuindo a quantidade de seus erros e a formiga dos olhos coloridos percebia cada mudança por mínima que fosse e os incentivava a ser cada vez melhores, assim como ela própria se treinava no seu crescimento interior.

              Quando alguma formiga mostrava o lado nublado da outra e só via esse lado, Formimiga fazia questão de mostrar o lado vermelho, ou o verde, ou o róseo, ou o azul e assim por diante.  Algumas formigas se incomodavam com isso, mas, não é que Formimiga não enxergasse o lado nublado também, tanto que, se a observassem melhor, não discordava do que fora dito se realmente via esse lado, e sim mostrava mais um lado da referida formiga para que percebessem que, se esta fosse bem orientada, haveria possibilidades de crescimento, de melhoramento nesse ou em outro formigueiro.  Claro que se o nublado fosse em torno de 90% ou na sua grande maioria, o outro lado que ela mostrava era em torno de 10% ou equivalente, mas se o nublado era em torno de 10% e as outras formigas falavam como se fossem 90%, ela fazia a defesa justa, porque lhe foi dado a capacidade de justiça, ou seja, a visão de todas as cores.  E  mesmo em alguns casos de muito pretume, tendo aprendido com a Formiga Rainha, ela aplicava os seus olhos especiais na maior concentração que ela conseguia fazer, na esperança de ver algum ponto colorido e conseguir pequenas mudanças até reverter o caso ou melhorar alguma coisa assim como os artistas fazem obras de arte com o pano-de-fundo preto.

              Quando Formimiga falava de outras cores, algumas formigas achavam que era só por falar, que era invenção ou blá blá blá de formiga e não por conhecimento de causa.  Às vezes, ela tentava explicar ou defender porque via além do que era dito e nem todas entendiam.  Algumas vezes ela pensava: “o que fazer com diferentes cores se outras formigas não enxergam as diferentes cores?”.  Na hora, acabava sofrendo as conseqüências disso, mas não podia deixar de fazer, pois fazia parte de sua missão; e seguia seu caminho com serenidade, acreditando na paz, no amor, na justiça e verdade e desejando que todas tivessem os olhos coloridos.

              Chegou o dia em que a formiga dos olhos coloridos caiu doente de morte, pois cada uma tinha sua hora de morrer, ou melhor, de transformar-se e seus olhos internos e coloridos foram começando a se revelar: a cada dia que se aproximava de sua morte ia aparecendo uma nova cor nos seus olhos externos até que, no dia de sua morte, ficaram plenamente coloridos.  A partir daí, todas entenderam porque ela conseguia ver outras cores quando tudo parecia sem cor ou nublado. Diante do fato, muitas recorreram à Formiga Rainha para lhes dar outras cores para os seus olhos e assim poderem ver o mundo e as realidades com todas as cores.

              Que todos nós, do mundo dos humanos, assim como fizeram as formigas recorrendo à Formiga Rainha, possamos, todos os dias, recorrer ao nosso Deus, pedindo que nos conceda “olhos coloridos” para que possamos ver a realidade e as pessoas tais como são e não apenas um lado da vida e que nos ajudemos, uns aos outros, a construir um mundo mais justo, menos competitivo, um mundo onde cada um dá de acordo com o que recebeu e com o que tem, isto é, de acordo com suas capacidades e seus dons no ser e no fazer, um mundo mais fraterno, mais cheio de amor desde agora e para sempre.

(Autoria: Ir Elenilza – SMI)
                                                                                                                            Em Março 2006.      

domingo, 7 de agosto de 2011

Estória: Um pouco da História de um Famoso Português

Esta estorinha  que segue foi criada para uma aula de português, em 1996, para entender o que era homonímia, paronímia e polissemia; e que foi aprovada pela professora e seus alunos.

UM POUCO DA HISTÓRIA DE UM FAMOSO PORTUGUÊS

      Certa vez, estavam reunidas numa boa conversa, Homonímia, Polissemia, e Paronímia – três senhoras de considerado respeito no lugar onde moravam. Elas costumavam, com uma certa freqüência, contar as novidades ocorridas em sua cidade, que por sinal, muito conhecida, chamada  Língua Portuguesa.
      Dona Homonímia, começando a lembrar da história do famoso português, deu início a conversa, dizendo:
      - Um português foi eleito, isto é, aclamado pelos colegas como cabeça do grupo. Ele por sua vez, sempre tendo cabeça para pensar, nunca perdeu a cabeça diante de seus companheiros. Isso fazia com que os seus amigos pensassem que o se equilíbrio valia pelo tamanho da sua cabeça e que era enorme.
      Quando o líder queria tomar a palavra para se dirigir aos seus súditos, usava, às vezes, palavras rudes e fortes, outras leves e suaves, outras também engraçadas e assim por diante, conforme a ocasião, porém, sem sair da linha de um bom português. E o mesmo, sempre com cabeça para agir, muitas vezes brincava homonimiamente:
      - Eu rio de mim mesmo, mas vocês não riam de mim, senão na próxima oportunidade, não levo vocês para o Rio, onde moram outros amigos, para apreciarem as maravilhas daquela cidade e deixarei vocês às margens de qualquer rio ou do riachinho que vocês costumam tomar banho. Vocês não apreciarão um concerto oferecido pelos cantores de vozes belíssimas, onde há acentos graves e agudos nas suas músicas, mas apenas ficarão aí fazendo o conserto de seus assentos que alguém os deixará quebrados. Eu seco minhas lágrimas a sorrirei viajando, enquanto vocês molharão o chão seco ao redor de seus pés.
      Dona Paronímia interveio:
      - Minha irmã, a maneira de você contar essa história foi eminente, mas você sabe que o perigo de exagero está iminente, pois naquele momento, o nosso português, não falou todas essas coisas; como você mesmo disse, ele nunca perdeu a cabeça! Ele, apenas, ratificava tudo o que os outros diziam, quando estavam certos, é claro, e retificava quando havia um erro ou engano. Ele sempre manteve o equilíbrio e não se preocupava demais quando dava para conciliar todas as coisas. Todavia, minha irmã, vamos deixar que Polissemia nos diga algo a respeito, embora ela costuma usar uma mesma palavra para explicar várias coisas, nunca saiu do contexto e nós sempre entendemos.
      - Minhas irmãs, conheço pessoas finas, que além de usarem roupas finas, usam também palavras finas e todas as coisas se tornam finas e fáceis de apreciação. Usem a cabeça, não percam a cabeça! História de português não se aprende só escutando ou lendo nos livros, mas com tudo que se tem na cabeça. A cabeça não foi feita só para estar em cima do pescoço, mas para você descobrir maravilhas com ela. Por isso, Paronímia, se falar bem ratifique; se falar mal, retifique; se a coisa é eminente ou ainda estar iminente, depende para que vai lhe servir. E você, Homonímia, se usar o acento ou o assento, saiba como utilizá-los; se eu rio ou choro às margens de um rio, saiba o porquê do meu riso ou do meu choro.
      Cabeça não é monossêmica, ela é polissêmica! Afinal, vocês têm cabeça para quê? Utilizem-na!
      E assim, naquele dia, deu-se o assunto por encerrado por aprenderem a usar a cabeça e ficar esclarecida essa parte da história do famoso Português.

Autoria: Ir. Elenilza  – SMI  
em 1996

SER MÃE - JOGRAL para dia das Mães

SER MÃE
(Ir. Elenilza – MI / MESC)

TODOS – SER MÃE...
1- Ser mãe é saber acolher o que foi gerado!
2- Ser mãe é acolher o novo que chega!
3- Ser mãe é dizer Sim à vida!
4- Ser mãe é gerar vida nova no ventre, no coração, no ambiente...

TODOS – Ser Mãe é tudo isso e muito mais!

1- Ser mãe é saber criar e ajudar o filho a crescer!
2- Ser mãe é além de gerar vida física, é gerar vida emocional, moral e espiritual!
3- Ser mãe é apoiar o filho no que ele fez de bom e também fazê-lo reparar os seus erros!
4- Ser mãe é saber compreender, ajudar, incentivar...!

TODOS – Ser Mãe é ser amiga de todas as horas!

1- Ser mãe é saber repartir-se!
2- Ser mãe é estar atenta às necessidades!
3- Ser mãe é amar incondicionalmente!
4- Ser mãe é saber lidar com a diversidade!

TODOS: – SER MÃE É TUDO ISSO E MUITO MAIS!

1- Ser mãe é educar para Deus!
2- Ser mãe é ajudar alguém sair do mau caminho!
3- Ser mãe é mostrar o caminho certo da vida!
4- Ser mãe é ser uma imensidade de riquezas brotadas no coração!

TODOS – Ser Mãe é ser imagem e semelhança de Deus!

1- Ser mãe é um conjunto harmonioso de coisas inexplicáveis que só são entendidas no amor!
2- Ser mãe é ser a procurada nos momentos difíceis!
3- Ser mãe é ser aquela que escuta as partilhas da vida!
4- Ser mãe é ser a escolhida por Deus para dar vida ao mundo!

TODOS – SER MÃE É AMAR, AMAR, AMAR E SERVIR, SERVIR, SERVIR...!
Parabéns, Mamãe, pelo seu grande dia

ORAÇÃO DE UMA FLOR

ORAÇÃO DE UMA FLOR


Senhor eu sou.........................., uma flor do teu jardim!
Venho apresentar-me diante de ti e colocar-me à tua disposição; pois sei que queres somente o meu bem!
Ajuda-me a abrir-me para ti, para os outros e para mim mesma, para que eu aprenda a amar-te cada vez mais, e amá-los e amar-me!
Sei que tu me amas, Senhor, com um amor infinito, eterno, incomparável a qualquer outro. E é sentindo o teu amor, que o amor floresce dentro de mim e me torna capaz de amar!
Sei que não encontrarei felicidade fora de ti!
Em ti, Senhor, encontro a alegria, a paz, a serenidade...!
Em ti encontro a maneira de ser e viver melhor!
Toma conta de mim, Senhor, para que eu jamais me desvie dos teus caminhos e possa sempre caminhar e viver ao teu lado!
Sou uma flor, Senhor, e como todas as diferentes flores do teu jardim, sou frágil; tenho pouca duração de vida, mas com a tua força, tua bondade e teu amor, ganho o prêmio de uma vida eterna!
Sem ti não sou nada, não posso nada, não consigo ir adiante...
Contigo tudo posso..., pois TU ÉS A FONTE DE ÁGUA VIVA que nos dá vida, nos transforma e nos abre ao teu amor!
Abre,Senhor, o meu coração frágil de flor, para que eu acolha a tua vontade e realize os teus planos sobre mim!
Apresento-me também, Senhor, a minha casa, que é o meu Jardim. Ela representa toda minha segurança terrena, pois foste tu que me deste para que eu administrasse da melhor forma possível! Sei que devo conservá-la limpa! Também a coloco à tua disposição e conservo a porta aberta para dar passagem livre para ti e para que possas ajudar-me ou orientar-me a colocar no lugar o que deixei desarrumado por minha fragilidade!
Vê, Senhor, como está a minha casa e todo o meu ser e orienta-me como devo ser e fazer durante toda a minha vida!
Obrigada, Senhor, pela vida que me deste!
Obrigada pela vida das outras flores que fazem parte do mesmo jardim e que convivem comigo!
Toma cada uma de nós em tuas mãos, Senhor, e faze o que tu quiseres. Amém!
Ir. Elenilza - SMI
Inspiração no ano de 1992
Cartaz com foto de um quadro com representação do Espírito Santo.
Pedindo que o Espírito Santo acenda em nós o fogo do seu Amor.

Cartazes-4 mod (Esp Stº, Aniv, B.Vindas, Natal

Alguns cartazes, escritos rapidamente para diversas ocasiões,
pintado ou com aproveitamento de figura.







Cartaz - É Grande a alegria, É Natal

Cartaz de Natal com aproveitamento de figura de velho cartaz
renovando sua mensagem.

Cartaz - Feliz Natal / Jesus veio para todos os povos

Com este cartaz expresso a importância da interculturalidade e que
Jesus veio para todos os povos.

Cartaz - com N. Srª das Dores

Cartaz com Nossa Senhora das Dores, pedindo seu auxílio
nos momentos de dor ou sofrimento

Cartaz - com bênção - MDBB

Cartaz com Maria Domingas Brun Barbantini, Fundadora das Ministras dos Enfermos de São Camilo.
"O Senhor te abençoe, te encha de coragem, paz, amor e perseverança" (confiança)!

Cartaz - (com rosas) ainda para ser escrito

Este é um cartaz, em cartolina verde escuro, preparado para ser escrito como boas vindas, aniversário ou outra coisa à escolha. Pode ser com letras brancas ou amarelas para realçar.

Cartaz - É seu Aniversario, vamos fazer a festa...

Cartaz simples de Aniversário,  pintado e escrito à mão e com
flores de papel com dobradura.

Cartaz - Uma linda canção para você...

Um Cartaz para quem gosta especialmente de música, mas pode ser para todas as pessoas amigas

Cartaz - Vamos Celebrar a Vida

Vamos celebrar a Vida que nasceu, cresceu e desabrochou.
Cartaz para toda e qualquer celebração de vida.

Cartaz - Uma linda Rosa para Você, Parabens

Cartaz para aniversario ou felicitações (Parabens)

Cartaz - Você merece nossos Parabens

Cartaz de aniversario, feito com papel, tesoura e cola, sem uso de régua, para quando não se tem muito material à mão:

Cartaz - Sua Vida é Dom de Deus


                   

Cartaz - Parabens, Feliz Aniversario

Cartaz - Nossos Parabens para Você

Cartaz para aniversário com rosas

Olá, gente criativa, vocês que visualizam o blog, estes não são os melhores cartazes do mundo, mas são expressões carinhosas para pessoas queridas que  aniversariam: amigos, irmãos e irmãs e para pessoas que queremos bem. É uma forma de expressar amizade e carinho por elas. Elenilza.

domingo, 31 de julho de 2011

cartaz - Fico a imaginar a sua chegada...

Cartaz de Boas Vindas (feminino) com aproveitamento de Calendário de anos passados para não perder a beleza; feito então um cartaz.

cartaz - Como é bom te ver chegar

Cartaz de Boas Vindas (feminino), para crianças ou pessoas joviais; feito com figura recortada de folhinha (calendário) e acrescido conforme criatividade.

Cartaz - Que Bom que Você Chegou

Cartaz de Boas Vindas sem figuras existentes, à base de papel, tesoura, dobraduras, corte, cola. Frase curta e disposição das flores conforme criatividade.

Cartaz - Transbordo de alegria com sua chegada

Este é um cartaz mais para pessoas jovens ou de espírito jovem. A imagem central foi retirada da internet, usando a criatividade para cartaz. CARTAZ DE BOAS VINDAS.

Cartaz - É Grande a nossa Alegria ...

"É grande a nossa alegria em te ver chegar" é um cartaz para ser utilizado para ambos os sexos, amigos, familares e para qualquer idade ou qualquer ocasião:

Cartaz - Cantamos com alegria porque você chegou

Cartaz de Boas Vindas: Acolhendo com alegria ao som da música imaginária do cartaz, para aqueles que apreciam o canto dos pássaros.

Cartaz - Uma Linda Rosa para Você...

Para Boas Vindas, Acolhida...

Cartaz - Flores para sua Chegada

Acolhida, Boas Vindas...

25 anos - cartaz

Um modelo de Cartaz para Jubileu ou Bodas de Prata com papel, tesoura, dobraduras,cortes e cola: